Graffiti na usina!

Apaixonado por arte, o engenheiro francês Philippe Quenet decidiu mudar o cenário onde trabalhava: com o apoio da empresa dona da usina, a Electricité de France S.A. E a Aliança Francesa no Rio, contratou uma série de grafiteiros – brasileiros e franceses – que mudaram a cara da indústria.