Esquecer a beleza

Quando se trata de Pascal Möhlmann, convém esquecer as noções de beleza, sutileza, sugestão… pois observar suas pinturas é mais como levar um soco na boca do estômago. Trabalhando temas como autodestruição, morte, violência e sexo, o suíço parece não ter escrúpulos ao pegar o pincel. Em sua obra tudo é explícito, escancarado aos olhos…